Jurassic World

Padrão

Herdeiro da trilogia Jurassic Park fascina, mesmo cometendo erros

Por Leonardo Sanchez
TÍTULO ORIGINAL: Jurassic World
DIREÇÃO: Colin Trevorrow
DURAÇÃO: 124min
GÊNERO: Ficção, Aventura, Suspense
PAÍS: Estados Unidos
ANO: 2015

4


Dinossauros encantaram geração atrás de geração até meados do século XXI. Com o avanço cada vez mais ligeiro da tecnologia, perdeu-se um pouco da cultura jurássica, que já teve dias melhores. Jurassic World surge para resgatar não somente um dos melhores títulos de Steven Spielberg, mas também todo o fascínio que envolve um mundo povoado por dinossauros. Desta vez com mais tecnologia, o longa dirigido por Colin Trevorrow emociona os fãs da trilogia original, mesmo cometendo uma grave série de equívocos no meio do caminho.

Vinte e dois anos após os eventos de Jurassic Park (1993), a Isla Nublar finalmente passou a abrigar um parque temático, do jeito que John Hammond imaginou. Preocupados com o aumento do desinteresse do público pelos dinossauros já existentes na atração, os pesquisadores da empresa, coordenados por Claire (Bryce Dallas Howard), resolvem criar um híbrido, maior e mais forte que qualquer outro animal que já existiu. Tudo dá errado quando o experimento foge de sua área de contenção e instaura o caos no parque, aterrorizando os sobrinhos de Claire, Gray (Ty Simpkins) e Zach (Nick Robinson) e sendo perseguido pelo ex-oficial da marinha Owen (Chris Pratt).

chris-pratt-velociraptor-jurassic-world

O ponto alto do filme se dá em seus primeiros minutos. Logo após chegar à Isla Nublar, Gray atravessa seu quarto de hotel correndo, ao som tímido e baixo do tema composto em 1993, abre as janelas e… lá está, o parque dos dinossauros do jeito que John Hammond sempre sonhou. A música cresce instantaneamente, preenche todo o espaço e toma o espectador de maneira arrebatadora. Não há palavras para descrever o conjunto de emoções que toma conta do público nesta cena. Os calafrios se contrapõem à potência que somente uma trilha sonora de John Williams consegue alcançar. Uau, bem-vindos ao Jurassic Park!

Pena que o tom de fascínio não se mantém de forma regular até o fim do filme. Contando com efeitos visuais incríveis, o roteiro de Jurassic World deixa a desejar em alguns aspectos. A transição do fracasso inicial do projeto apresentado em 1993 para o sucesso comercial de um parque já pronto, em 2015, é muito bem pensada. Tudo é planejado, o parque temático é uma versão cinematográfica perfeita de uma Disneylândia, as atrações são de tirar o fôlego e temos aqui até mesmo uma releitura da baleia Shamu, do SeaWorld, o famoso parque da Flórida.

jurassic-world-super-bowl-trailer-1

Toda a preocupação em criar este universo de maneira detalhada, porém, é posta à prova quando nos deparamos com soluções rápidas e pouco convincentes para os problemas apresentados pela trama de Jurassic World. Isto dá margem para algumas incoerências que podem até ser esperadas em blockbusters, mas que são exageradamente escancaradas para não nos incomodarmos. Falamos aqui de fósforos molhados que se acendem e de sapatos de salto alto que só podem ter sido produzidos pela Nike. Apesar de não comprometerem o roteiro, estes aspectos são erros primários, que poderiam e deveriam ter sido eliminados.

53ab0250-a8e5-0132-4527-0ebc4eccb42fDa mesma forma, clichês se manifestam nos momentos em que a trama tem preguiça de se aprofundar. O mocinho e a mocinha já tiveram um caso; ela é razão, ele é sensibilidade; a mulher que mergulha de tal forma no mercado de trabalho que precisa afirmar constantemente o quão absurda é a ideia de ter filhos; o adolescente que chateia o irmãozinho e só quer saber de paquera; e por aí vai. São saídas rápidas que, apesar de interessantes no momento de contrapor as personagens de Chris Pratt e Bryce Dallas Howard, poderiam ter sido mais originais.

Colocando estes problemas à parte, é surpreendente o quão mágico aquele universo de dinossauros pode ser. Após ficarmos deslumbrados com a concepção do Jurassic World, ficamos tensos e assustados com as cenas de perseguição e suspense que se seguem. De forma muito bem coordenada, a ação toma conta daquela trama antes delicada e agora tão perigosa. Jurassic World não encontra problemas ao deixar seu público vidrado, na ponta da poltrona e roendo as unhas. As duas horas de filme passam rapidamente e cumprem, de longe, com a sua promessa de diversão. O longa ainda concilia muito bem o aspecto de caos e terror que acomete o filme, sem comprometer o apelo infantil da franquia.

jurassic-world-super-bowl-36

Jurassic World fascina, diverte, gera expectativa e tensão e, o mais importante: se mantém fiel à mensagem de seu original, de 1993. Não é tão simples brincar com a natureza, principalmente quando isto é feito para saciar o apetite grosseiro por dinheiro. Enquanto nossos olhos brilham com aquela possibilidade surreal de vivermos em meio às espécies extintas, o longa cumpre com a ousadia à qual se propôs: transporta o público de volta à sua infância, fascinando-o com aqueles seres enormes e indestrutíveis de 225 milhões de anos.


Anúncios

2 comentários sobre “Jurassic World

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s