14 cenas românticas do cinema

Padrão

14. O Lado Bom da Vida – Pat persegue Tiffany (2012)
Patrick Solano (Bradley Cooper) & Tiffany Maxwell (Jennifer Lawrence)

Um drama disfarçado por um roteiro bem humorado, o romance de Tiffany e Patrick é interessante devido às circunstâncias casuais nas quais floresce. É encantador acompanhar o desenvolvimento do sentimento das duas personagens ao longo da trama e a cena final, absurdamente esperada, é bonita justamente pelo alívio que causa não somente nas personagens, mas também no público. A maneira como Patrick se declara, com certa comicidade, é verdadeiramente emocionante e romântica.


 

13. A Jovem Rainha Victoria – “Stay with me” (2009)
Rainha Victoria (Emily Blunt) & Príncipe Albert (Rupert Friend)

O mais bonito de Jovem Rainha Victoria é pensar na potencial veracidade do amor entre a rainha do Reino Unido e o Príncipe Albert. As marcas deixadas pela relação dos dois na capital britânica enchem a trama do filme de credibilidade, vide o famoso e suntuoso Albert Memorial, construído pela monarca após a morte do marido. A cena na qual os dois mostram o quão apaixonados estão, por sua espontaneidade e até mesmo pela acidentalidade do sentimento, é simples e delicada, principalmente por ficar evidente o alívio e felicidade de ambos por poderem ficar juntos, sem a necessidade de um pretexto, como ocorria até então.


 

12. Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças – Cena final (2004)
Clementine Kruczynski (Kate Winslet) & Joel Barish (Jim Carrey)

Uma ficção que gira em torno da relação de Clementine e Joel, Brilho Eterno evidencia o amor das personagens por meio de cenas bem humoradas, diferentes e surreais, sem perder o drama e o romance da trama. O trecho final do longa, que problematiza a relação do casal, mostra que a perfeição não é o que importa em uma história de amor. Todos os casais têm seus problemas e superá-los somente fortalece o sentimento de um pelo outro, como acontece com as personagens de Winslet e Carrey. A abordagem de Brilho Eterno é completamente ficcional, mas sua essência beira a realidade.


 

11. Ghost – Unchained Melody (1990)
Sam Wheat (Patrick Swayze) & Molly Jensen (Demi Moore)

Assim como Ghost é um clássico do cinema, Unchained Melody é um clássico musical. A combinação dos dois funciona perfeitamente para ilustrar a vida simples, mas cheia de romance de Sam e Molly.  A cena sonorizada pela composição não tem nada de grandioso e sua casualidade é exatamente o que a torna tão interessante: o destaque, despido de qualquer superficialidade, dado à relação dos protagonistas mostra a verdadeira essência do sentimento ali representado, fazendo uso de uma sensualidade sutil e bonita.


 

10. Pocahontas – Cena final (1995)
Pocahontas (Irene Bedard) & John Smith (Mel Gibson)

Clássico da animação, Pocahontas tem em sua cena final um momento repleto de simbolismo e romantismo. A maneira como a história acaba, apesar de dramática, conta com os detalhes, como o vento, para legitimar a sobrevivência do amor entre a índia e o inglês. A profundidade da relação das duas personagens fica evidente quando o público percebe que aquele amor independe de qualquer materialidade, sendo sustentado por um sentimento verdadeiro e transcendente. A sensibilidade utilizada para registrar os laços que um cria pelo outro deixam o final do filme emocionante e poético.


 

9. O Grande Gatsby – “I’m certainly glad to see you again” (2013)
Jay Gatsby (Leonardo DiCaprio) & Daisy Buchanan (Carey Mulligan)

Encher a sala do seu vizinho com flores de todos os tipos e cores certamente é uma prova de amor inesperada e inovadora. Não somente o ato e a intenção do protagonista são surpreendentes, como também seu reencontro com a personagem de Carey Mulligan, que demonstra que o amor dos dois, apesar de antigo e distante, continuava tão forte e verdadeiro quanto em seu início. A troca de olhares entre Gatsby e Daisy, na cena, é tão significativa e bem executada que facilmente convence o público do sentimento dos dois.


 

8. Across The Universe – All You Need Is Love (2007)
Jude (Jim Sturgess) & Lucy (Evan Rachel Wood)

Com um ar alternativo, Across The Universe é uma história de amor jovial e que acompanha, com excelência, a temática dos clássicos dos Beatles. O reencontro de Jude e Lucy, criativo e na eminência do fim do filme, não somente alivia o espectador, que certamente torce para que o casal dê certo, como também é coeso quanto à letra de All You Need Is Love, sendo inevitável não acreditar no significado do título da composição após assistir à história dos protagonistas. “Tudo o que você precisa é amor”.


 

7. O Fantasma da Ópera – All I Ask Of You (2004)
Raoul, Visconde de Chagny (Patrick Wilson) & Christine Daaé (Emmy Rossum)

Grande sucesso dos palcos, a adaptação de O Fantasma da Ópera para as telas sofreu um pouco por conta de sua direção despretensiosa, que não condiz com o caráter suntuoso da peça. Apesar disso, o triângulo amoroso entre o Fantasma, Christine e Raoul manteve-se autêntico e a essência do amor dos dois últimos foi habilmente captada no dueto interpretado no telhado do Opera Populaire, teatro no qual a história se passa. All I Ask Of You, além de uma bela melodia, tem uma letra excepcionalmente romântica, que representa o forte sentimento que Christine e Raoul compartilham.


 

6. Amor, Sublime Amor – Somewhere (1961)
Maria (Natalie Wood) & Tony (Richard Beymer)

O grande musical americano West Side Story não podia deixar de aparecer na lista, afinal, foi inspirado no maior romance da história da literatura: Romeu e Julieta. O amor entre Tony e a porto-riquenha Maria prova-se verdadeiro e profundo no desenrolar da trama. O dueto Somewhere, no qual os protagonistas prometem dedicar-se um ao outro, superando qualquer adversidade, é um ícone do cinema musical e reflete o quão inabalável e eterno é o amor que desenvolvem.


 

5. A Dama e o Vagabundo – Bella Notte (1955)
Dama (Peggy Lee) & Vagabundo (Larry Roberts)

Um clássico do cinema, a cena em que os dois cachorros da Disney compartilham uma refeição romântica à luz das estrelas já encantou – e continua encantando – inúmeras gerações. Tudo na passagem é muito bem pensado: a música italiana, a última almôndega do prato e o beijo tímido e delicado que a Dama e o Vagabundo trocam ao dividir um fio de espaguete fazem com que essa demonstração de afeto, diferente e inocente, se destaque na história do cinema.


 

4. Luzes da Cidade – Cena final (1931)
O Vagabundo (Charles Chaplin) & Florista Cega (Virginia Cherrill)

O final de Luzes da Cidade é, certamente, um dos mais bonitos proporcionados pela cinematografia. Chaplin, verdadeiro gênio na abordagem de temas universais, desenvolve no filme um puro e ingênuo romance entre a clássica personagem O Vagabundo e uma florista simples e cega. O desfecho da história, após inúmeras cenas de dificuldades e comicidade, não poderia ser retratado de forma mais esplêndida: o reencontro das duas protagonistas não é moldado por Chaplin, permitindo que o público fantasie sobre o destino do casal, cuja última cena é de uma beleza genuína e singela.


 

3. A Bela e a Fera – Beauty And The Beast (1991)
Bela (Paige O’Hara) & Fera (Robby Benson)

Todos sabem que A Bela e a Fera é um clássico da animação e do cinema musical. Antes de se destacar nesses dois gêneros, porém, o filme da Disney é uma pura e verdadeira história de amor, que obedece aos critérios necessários para qualificá-lo como um grandioso romance. O interessante do longa é o desenvolvimento, lento e cauteloso, da relação do casal, que vai do ódio ao mais terno amor. A cena da valsa entre a Bela e a Fera não somente solidifica o sentimento dos dois, mas é acompanhada por uma das músicas mais bonitas já compostas para as telas, com um visual extremamente moderno e detalhado para a época em que o filme foi lançado.


 

2. Titanic – “I’m flying!” (1997)
Jack Dawson (Leonardo DiCaprio) & Rose Bukater (Kate Winslet)

Titanic é o grande queridinho de uma considerável parcela da população. O título, porém, é merecido. Jack e Rose estão, com toda certeza, entre os casais mais apaixonados da cinematografia e juntos desenvolvem uma história bonita e transcendente de amor. São diversas cenas que funcionam como verdadeiras provas do sentimento de uma personagem pela outra. Ícone do cinema, a cena de amor que se destaca no longa é o famoso “vôo” que Jack proporciona à Rose na ponta do navio, momento no qual o afeto de um pelo outro se consolida, a fim de dar continuidade ao resto da trama.


 

1. Moulin Rouge! – Your Song (2001)
Christian (Ewan McGregor) & Satine (Nicole Kidman)

Uma obra-prima do cinema musical, Moulin Rouge! é, do começo ao fim, uma verdadeira sucessão de poéticas e encantadoras cenas de amor. Nicole Kidman e Ewan McGregor têm uma sincroniza perfeita em cena, que enche seu romance de credibilidade, deixando o público sensibilizado com o seu desenrolar. É difícil escolher, das cerca de duas horas de filme, qual passagem é a mais romântica, devido à pureza e profundidade da relação dos protagonistas. A escolha acabou refletindo em Your Song, a música na qual Christian e Satine se apaixonam e que, certamente, representa o que há de mais lírico e poético na cinematografia romântica.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s